.st0{fill:#FFFFFF;}

Eficaz ou Eficiente, Thomaz ou Clemente. Qual é seu estilo? 

 junho 26, 2020

Por Aldo Montes

Dias atrás, tirei uns dias de férias com a minha filha mais nova, Rebeca Montes. Teríamos poucos dias para descansar e então decidimos ir para um lugar tranquilo: montanha foi nossa escolha. Fomos e passamos 4 dias muito agradáveis dentre o meio de matas, caminhadas, escalada da Pedra do Baú, observatório astronômico de Itajubá e, naturalmente, desfrutamos de uma deliciosa culinária campestre…

Durante um de nossos cafés da manhã, minha filha me pediu que eu trouxesse ovos mexidos para ela. Fui, busquei e a servi, colocando o prato em sua frente, pensando eu, que tivesse atendido ao seu pedido. Em seguida ela me agradeceu, olhou para o prato, supondo que além dos ovos, eu teria tido a iniciativa de colocar, bacon, queijo e presunto. Então ela me perguntou: _ “Papai você conhece a história do Thomaz e do Clemente?”. Eu disse que não e ela com toda sua vivacidade me contou:

_ “Havia um funcionário chamado Clemente, que trabalhava em uma empresa a aproximadamente 5 anos. Após este período, um novo funcionário foi contrato e seu nome era Thomaz. Em pouco tempo, o novo colaborador havia assumido novas posições na empresa e, consequentemente, havia tido aumentos de salário. Indignado, Clemente foi falar com o dono da empresa, pois estava trabalhando há 5 anos ali e não havia tido nenhum acréscimo salarial. Então ele agendou a reunião com a secretária do chefe e quando chegou o dia tão esperado, sentou-se junto a mesa dele, todo cheio de si, e o proprietário da empresa lhe perguntou: _ “Pois não Clemente, como posso lhe ajudar? ”.

Clemente, sem perder a oportunidade, logo discorreu sobre sua indignação de estar trabalhando a tanto tempo na empresa e sem, contudo, ter recebido qualquer promoção ou aumento de salário.

O dono da empresa ouviu atenta e calmante toda sua explicação. Em seguida lhe disse: _ “Entendo sua inquietação, porém antes de eu tomar alguma decisão, posso lhe pedir um favor? ” . Clemente, respondeu prontamente: _ “Claro que sim, em que posso lhe ajudar?” .

Então o dono da empresa prosseguiu: _ “Estou pensando em oferecer uma salada de frutas como sobremesa, para nossa equipe. Pensei em bananas e abacaxi. Você poderia ir até aquela quitanda da esquina e fazer uma cotação, de qual seria o custo para comprarmos semanalmente e servimos para nossa equipe?

_ “Claro que sim, farei isto agora mesmo”.

Clemente saiu e em 15 minutos voltou todo orgulhoso, dizendo:

_ “ Aqui está: o custo de tantas bananas e abacaxis, para atender a sobremesa de nossa equipe todos os dias.”

O dono da empresa agradeceu sua prontidão e rapidez e pediu para que ele se sentasse em uma cadeira dentro da sala. Logo, chamou Thomaz e pediu para que ele executasse a mesma tarefa. Thomaz anotou as solicitações de seu chefe e saiu.

Passados quase 60 minutos, Thomaz volta ao escritório do chefe e pede licença para mostrar o resultado de sua pesquisa.

A esta altura, Clemente estava feliz da vida, pois ele levou somente 15 minutos e trouxe a solicitação.

Thomaz então sentou-se junto à mesa do dono da empresa e começou a falar:

_ “Chefe, eu estive na quitanda conforme sua orientação e fiz a cotação. Aqui estão os valores das frutas, para a sobremesa de diária do time”.

Eu tomei a liberdade de negociar com o vendedor da quitanda e perguntei, se caso comprássemos todas as semanas estas quantidades, se eles poderiam dar um algum desconto, e eu consegui 10%.

Perguntei se ele poderia entregar as bananas e abacaxis, cortadas e embaladas, de forma a facilitar e entrega para nossos funcionários. O dono da quitanda concordou e não vai cobrar nenhum adicional por isto. Também perguntei, quais seriam as frutas da época e ele me disse que as mangas e morangos estariam mais frescos e com um valor ainda mais competitivo.

Finalmente, perguntei ao dono da quitanda, se caso venhamos a fechar um pacote por 2 meses, se ele conseguiria dar um desconto adicional, uma vez que ele teria uma receita recorrente garantida, o negociante entendeu, aceitou e ofereceu um desconto a mais, de 5%.

_ “Espero que eu tenha atendido sua solicitação, senhor. Há algo mais que eu possa fazer, para lhe ajudar?”.

Neste momento seu chefe lhe agradeceu e o liberou.

Em seguida olhou para o Clemente e lhe perguntou:

_ “Clemente, sobre o que mesmo você veio falar comigo?”.

Clemente, um pouco desconcertado respondeu: _ “Chefe, conforme estávamos conversando, acho que o senhor deve dar um aumento para Thomaz!” .

Moral da história: estou sendo eficiente (Clemente) ou eficaz (Thomaz)?

Acho que vale a reflexão neste mundo atual, cada vez mais supercompetitivo. Não basta sermos os mais rápidos e eficientes, mas temos que ser os melhores, eficazes e trazermos mais resultados para nossas organizações.

Até mais!

Aldo Montes

PS.: Este artigo foi baseado em umas das aulas que minha filha, Rebeca Montes, teve com seu Professor de Teoria da Administração Amauri Patroca da PUC – São Paulo.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
EnglishPortuguêsEspañol